O que é borda de confiança zero?

22 de maio de 2024

A borda de confiança zero é uma estrutura de segurança que estende zero confiança princípios até a borda da rede de uma organização. Seu foco é garantir acesso seguro aos recursos, independentemente da localização ou dispositivo do usuário.

o que é borda de confiança zero

O que é borda de confiança zero?

A borda de confiança zero é uma estrutura de segurança abrangente que aplica os princípios de confiança zero à borda da rede de uma organização. Ao contrário dos modelos de segurança tradicionais que dependem de um perímetro forte para manter as ameaças afastadas, a borda de confiança zero opera no pressuposto de que as ameaças podem vir tanto de dentro como de fora da rede. Requer verificação contínua da identidade e confiabilidade de cada usuário, dispositivo e Formulário on line tentando acessar recursos, independentemente de sua localização.

A abordagem de confiança zero envolve a integração de múltiplas medidas de segurança, como autenticação multifator (MFA), microssegmentação, criptografia e em tempo real detecção de ameaças, para garantir que o acesso seja concedido com base em políticas rigorosas e avaliações de risco em tempo real. A borda de confiança zero também enfatiza a importância da visibilidade e da análise, monitorando continuamente o tráfego de rede e o comportamento do usuário para detectar anomalias e responder rapidamente a possíveis ameaças.

Arquitetura Zero Trust Edge

A arquitetura de borda de confiança zero opera com base no princípio fundamental de que nenhuma entidade, seja dentro ou fora da rede, deve ser confiável por padrão. Cada solicitação de acesso é minuciosamente verificada e o monitoramento contínuo é implementado para detectar e responder a ameaças em tempo real.

A arquitetura de borda de confiança zero normalmente inclui vários componentes principais:

  • Gerenciamento de identidade e acesso (IAM). Este componente garante que todos os usuários e dispositivos sejam autenticados e autorizados antes de acessar os recursos da rede. Autenticação multifator (MFA) e SSO (conexão única) são comumente usados ​​para aumentar a segurança.
  • Microssegmentação. Esta técnica envolve dividir a rede em segmentos menores e isolados para limitar o movimento lateral de ameaças. Ao criar zonas de segurança granulares, a microssegmentação reduz o superfície de ataque e contém potencial violação de dados.
  • Borda de serviço de acesso seguro (SASE). SASE combina funções de segurança de rede, como gateways web seguros (SWG), cloud corretores de segurança de acesso (CASB) e firewall como serviço (FWaaS) de rede de área ampla (WAN) recursos para fornecer acesso seguro e contínuo a aplicativos e dados de qualquer local.
  • Segurança de endpoint. Isso garante que os dispositivos conectados à rede sejam seguros e estejam em conformidade com as políticas organizacionais. As soluções de detecção e resposta de endpoint (EDR) monitoram e analisam atividades de endpoint para identificar e mitigar ameaças rapidamente.
  • Monitoramento e análise contínuos. A borda de confiança zero depende do monitoramento contínuo do tráfego de rede e do comportamento do usuário para detectar anomalias e ameaças potenciais. Avançado análise de dados e aprendizado de máquina algoritmos ajudam a identificar padrões que podem indicar atividades maliciosas.
  • Aplicação de políticas. O gerenciamento centralizado de políticas permite que as organizações definam e apliquem políticas de segurança de forma consistente em toda a rede. As políticas baseiam-se na princípio do menor privilégio, concedendo aos usuários o acesso mínimo necessário para realizar suas tarefas.
  • Criptografia. Os dados em trânsito e em repouso são criptografados para protegê-los contra acesso não autorizado. A criptografia garante que mesmo que os dados sejam interceptados, eles permanecerão ilegíveis sem a devida chaves de descriptografia.
  • Inteligência de ameaças e resposta. A integração de feeds de inteligência sobre ameaças à arquitetura de borda de confiança zero ajuda as organizações a se manterem informadas sobre as ameaças e vulnerabilidades mais recentes. Mecanismos de resposta automatizados podem mitigar rapidamente ameaças identificadas, minimizando danos potenciais.

Como funciona o Zero Trust Edge?

A borda de confiança zero envolve vários processos e tecnologias importantes para verificar identidades, aplicar políticas de segurança e monitorar continuamente a atividade da rede. Veja como funciona a borda de confiança zero:

  • Verificação de Identidade. Cada usuário, dispositivo e aplicativo que tenta acessar a rede deve ser autenticado e autorizado. A verificação de identidade normalmente envolve autenticação multifator (MFA), que exige que os usuários forneçam diversas formas de identificação, como senhas, biometriaou tokens de segurança. Isto garante que apenas usuários legítimos tenham acesso à rede.
  • Segurança do dispositivo. Os dispositivos conectados à rede são avaliados quanto à conformidade de segurança. Soluções de segurança de endpoint, como Endpoint Detection and Response (EDR), verificam se há software atualizado, patches de segurança, e a ausência de malwares. Dispositivos não compatíveis têm acesso negado ou acesso limitado até que atendam aos padrões de segurança.
  • Microssegmentação. A rede é dividida em segmentos menores ou microssegmentos. Cada segmento é isolado e protegido por rígidos controles de acesso. Isto limita o movimento lateral de ameaças dentro da rede, contendo potenciais violações a um único segmento e impedindo que se espalhem.
  • Aplicação de políticas. O acesso aos recursos da rede é regido por políticas de segurança centralizadas baseadas no princípio do menor privilégio. Estas políticas ditam as condições específicas sob as quais os utilizadores e dispositivos podem aceder a recursos específicos. As políticas são ajustadas dinamicamente com base no contexto, como função do usuário, tipo de dispositivo, localização e confidencialidade dos dados que estão sendo acessados.
  • Borda de serviço de acesso seguro (SASE). SASE integra funções de segurança de rede, incluindo gateways web seguros (SWG), cloud corretores de segurança de acesso (CASB), firewall como serviço (FWaaS) e acesso à rede de confiança zero (ZTNA), com recursos de rede de área ampla (WAN). SASE fornece acesso seguro e contínuo a aplicativos e dados, estejam eles hospedados no local ou na cloud.
  • Monitoramento contínuo. O tráfego de rede e o comportamento do usuário são monitorados continuamente em busca de anomalias. Análise avançada e aprendizado de máquina algoritmos são usados ​​para detectar atividades suspeitas que podem indicar uma ameaça à segurança. Este monitoramento contínuo garante que ameaças potenciais sejam identificadas e abordadas em tempo real.
  • Detecção e resposta a ameaças. Feeds de inteligência contra ameaças e mecanismos de resposta automatizados são integrados à estrutura de borda de confiança zero. A inteligência contra ameaças fornece informações atualizadas sobre ameaças emergentes, enquanto os sistemas de resposta automatizados podem isolar rapidamente os segmentos afetados, bloquear o tráfego malicioso e iniciar ações de correção para minimizar os danos.
  • Criptografia. Os dados são criptografados tanto em trânsito e em repouso para protegê-lo contra acesso não autorizado. Isso garante que mesmo que os dados sejam interceptados, eles permanecerão ilegíveis sem as chaves de descriptografia apropriadas.

Benefícios e desafios do Zero Trust Edge

A borda de confiança zero oferece benefícios aos ambientes de rede modernos, mas também apresenta desafios. Esses fatores são cruciais na escolha de implementar esse método em uma organização.

Benefícios

Esses benefícios destacam as vantagens operacionais e de segurança abrangentes que a borda de confiança zero oferece, tornando-a uma escolha atraente para organizações que buscam fortalecer suas defesas de segurança cibernética em um cenário de rede complexo e distribuído:

  • Segurança melhorada. A borda de confiança zero fornece segurança robusta, verificando continuamente a identidade de usuários, dispositivos e aplicativos. Isto minimiza o risco de acesso não autorizado e violações, uma vez que nenhuma entidade é confiável por padrão, independentemente da sua localização dentro ou fora da rede.
  • Superfície de ataque reduzida. Ao implementar a microssegmentação, a borda de confiança zero reduz a superfície de ataque. Esta técnica isola diferentes partes da rede, limitando o movimento lateral de ameaças e contendo potenciais violações em segmentos pequenos e gerenciáveis.
  • Melhor visibilidade e controle. O monitoramento contínuo do tráfego de rede e do comportamento do usuário oferece visibilidade em tempo real das atividades da rede. Isso ajuda as organizações a manter um controle rígido sobre seus ambientes de rede e a detectar e responder prontamente a anomalias e ameaças potenciais.
  • Flexbilidade e escalabilidade. A borda de confiança zero oferece suporte ao acesso seguro para uma força de trabalho distribuída, incluindo funcionários remotos e dispositivos móveis. Ele se integra perfeitamente com cloud serviços e Dispositivos IoT, oferecendo escalabilidade para acomodar necessidades de rede crescentes e em evolução.
  • Conformidade simplificada. Com controles de acesso rigorosos e monitoramento abrangente, a borda de confiança zero ajuda as organizações a atender aos requisitos regulatórios e de conformidade de maneira mais eficaz. Registros e relatórios detalhados garantem que as auditorias de conformidade possam ser realizadas com maior facilidade e precisão.
  • Experiência aprimorada do usuário. Ao aproveitar o Secure Access Service Edge (SASE) e outras tecnologias integradas, o Zero Trust Edge garante acesso seguro e contínuo a aplicativos e dados de qualquer local. Isto melhora a experiência do usuário, fornecendo conectividade consistente e confiável sem comprometer a segurança.
  • Detecção e resposta proativa a ameaças. Mecanismos avançados de detecção de ameaças, combinados com sistemas de resposta automatizados, permitem que a borda de confiança zero identifique e mitigue ameaças em tempo real. Esta abordagem proativa ajuda a prevenir incidentes de segurança antes que possam causar danos significativos.
  • Eficiência de custos. Embora a implementação inicial possa exigir investimento, a vantagem de confiança zero pode levar a poupanças de custos a longo prazo, reduzindo a probabilidade de violações de dados dispendiosas e minimizando a necessidade de extensos esforços de remediação. Além disso, a consolidação de ferramentas e serviços de segurança numa estrutura unificada pode reduzir os custos operacionais.
  • Adaptabilidade a ambientes de TI modernos. A borda de confiança zero é adequada para ambientes de TI modernos que dependem cada vez mais de cloud serviços, trabalho remoto e diversos dispositivos. Ele fornece segurança robusta no local, cloude ambientes híbridos.

Desafios

A implementação da borda de confiança zero pode melhorar significativamente a postura de segurança de uma organização, mas também traz vários desafios. Aqui estão os principais desafios que as organizações podem enfrentar:

  • Complexidade. A borda de confiança zero envolve uma arquitetura complexa que integra várias tecnologias e processos de segurança. Esta complexidade pode tornar a implementação e a gestão desafiantes, especialmente para organizações com recursos ou conhecimentos de TI limitados.
  • Custo. A implantação de borda de confiança zero pode ser cara. Os custos incluem a aquisição e integração de soluções avançadas de segurança, como autenticação multifatorial, microssegmentação e ferramentas de monitoramento contínuo. Além disso, a manutenção e as atualizações contínuas aumentam o custo total de propriedade.
  • Integração com sistemas legados. Muitas organizações possuem sistemas legados que não foram projetados para funcionar com os princípios modernos de confiança zero. A integração desses sistemas em uma estrutura de confiança zero pode ser difícil, exigindo tempo e esforço significativos e potencial reconfiguração ou substituição de tecnologias desatualizadas.
  • Experiência do usuário. A implementação de medidas de segurança rigorosas às vezes afeta a experiência do usuário. Solicitações frequentes de autenticação e acesso restrito podem frustrar os usuários, levando potencialmente à diminuição da produtividade ou à resistência às políticas de segurança.
  • Escalabilidade À medida que as organizações crescem e seus ambientes de rede se tornam mais complexos, dimensionar a borda de confiança zero pode ser um desafio. Garantir que as políticas de segurança permaneçam eficazes e que os sistemas de monitoramento possam lidar com o aumento do tráfego e dos dados é fundamental para manter a segurança.
  • Monitoramento e gerenciamento contínuos. A borda de confiança zero requer monitoramento contínuo e detecção de ameaças em tempo real, o que pode consumir muitos recursos. As organizações precisam de investir em ferramentas de monitorização robustas e em pessoal qualificado para gerir e responder eficazmente aos alertas de segurança.
  • Gerenciamento de políticas. Definir e aplicar políticas de segurança em uma rede distribuída pode ser complicado. As organizações devem garantir que as políticas sejam aplicadas e atualizadas de forma consistente em resposta às mudanças nos cenários de segurança e nas necessidades organizacionais.
  • Gestão da mudança. Mudar para um modelo de confiança zero requer uma mudança cultural dentro da organização. Os funcionários devem ser treinados em novos protocolos e práticas de segurança e pode haver resistência à mudança. Programas eficazes de comunicação e treinamento são essenciais para uma adoção bem-sucedida.
  • Gestão de fornecedores. A implementação da borda de confiança zero geralmente envolve trabalhar com vários fornecedores para diversas soluções de segurança. Gerenciar esses relacionamentos com fornecedores, garantir a compatibilidade e coordenar atualizações e suporte pode apresentar desafios.
  • Conformidade regulatória. A borda de confiança zero exige que as organizações naveguem cuidadosamente pelos requisitos de conformidade para evitar repercussões legais e financeiras.

Como implementar o Zero Trust Edge?

A implementação do Zero Trust Edge exige uma abordagem estratégica que integre várias medidas e tecnologias de segurança. Aqui estão as principais etapas para implementar efetivamente a vantagem de confiança zero.

Avalie a postura atual de segurança

Comece conduzindo uma avaliação completa de sua postura de segurança atual. Isso involve identificando vulnerabilidades existentes, compreendendo sua arquitetura de rede e catalogando todos os usuários, dispositivos e aplicativos. Esta avaliação básica ajuda você a entender onde os princípios de confiança zero podem ser aplicados de forma mais eficaz e quais áreas precisam de mais melhorias.

Definir políticas de segurança

Estabeleça políticas de segurança claras baseadas no princípio do menor privilégio. Estas políticas devem ditar quem pode aceder a recursos específicos, em que condições e utilizando que tipos de dispositivos. As políticas devem ser dinâmicas e conscientes do contexto, tendo em conta fatores como a função do utilizador, o estado de segurança do dispositivo e a localização para conceder ou negar acesso.

Implementar autenticação multifator (MFA)

Implante MFA em todos os pontos de acesso para garantir que os usuários sejam autenticados por meio de diversas formas de verificação. A MFA aumenta significativamente a segurança ao exigir prova de identidade adicional além de apenas uma senha. Isto reduz o risco de acesso não autorizado, mesmo que as credenciais sejam comprometidas.

Implantar microssegmentação

Implemente a microssegmentação para dividir sua rede em segmentos menores e isolados. Cada segmento deve ter seu próprio conjunto de controles de acesso e políticas de segurança. Isto limita o movimento lateral de ameaças dentro da rede e contém possíveis violações em uma área confinada, evitando danos generalizados.

Adote o Secure Access Service Edge (SASE)

Integre soluções SASE para combinar funções de segurança de rede com recursos de rede de longa distância (WAN). SASE fornece acesso seguro e contínuo a aplicativos e dados de qualquer local, incorporando tecnologias como gateways web seguros (SWG), cloud corretores de segurança de acesso (CASB) e acesso à rede de confiança zero (ZTNA).

Implementar Monitoramento Contínuo

Estabeleça monitoramento contínuo do tráfego de rede e do comportamento do usuário para detectar e responder a anomalias em tempo real. Use análises avançadas e aprendizado de máquina para identificar atividades suspeitas que possam indicar uma ameaça à segurança. O monitoramento contínuo garante vigilância contínua e resposta rápida a possíveis incidentes de segurança.

Garanta a segurança do endpoint

Proteja todos os dispositivos conectados à sua rede implementando medidas robustas de segurança de endpoint. Isso inclui a implantação de soluções de detecção e resposta de endpoint (EDR) para monitorar e analisar atividades de endpoint. Garantir a conformidade do endpoint com as políticas de segurança ajuda a proteger contra malware e acesso não autorizado.

Criptografar Dados

Criptografe dados em trânsito e em repouso para protegê-los contra acesso não autorizado. A criptografia garante que, mesmo que os dados sejam interceptados, eles permaneçam ilegíveis sem as chaves de descriptografia apropriadas. Isso protege informações confidenciais e mantém integridade de dados.

Fornece treinamento e conscientização do usuário

Eduque os funcionários e as partes interessadas sobre os princípios e práticas da vantagem de confiança zero. Sessões regulares de treinamento e programas de conscientização ajudam a garantir que todos entendam seu papel na manutenção da segurança e cumpram os novos protocolos de segurança. O treinamento eficaz reduz o risco de erro humano e aumenta a segurança geral.

Monitore e atualize regularmente

Revise e atualize continuamente suas políticas, ferramentas e estratégias de segurança para se adaptar às ameaças em evolução e às necessidades organizacionais em constante mudança. Audite regularmente sua implementação de borda de confiança zero para identificar áreas de melhoria e garantir que sua postura de segurança permaneça robusta e eficaz. A melhoria contínua é fundamental para manter uma estrutura resiliente de borda de confiança zero.


Anastasia
Spasojevic
Anastazija é uma redatora de conteúdo experiente, com conhecimento e paixão por cloud computação, tecnologia da informação e segurança online. No phoenixNAP, ela se concentra em responder a questões candentes sobre como garantir a robustez e a segurança dos dados para todos os participantes do cenário digital.